• Ana Paula Psicóloga

A importância do relacionar para autoestima

Olá!

Você percebeu o quanto o nosso corpo é relacional?


Então, vamos lá na viagem das reflexões através da perspectiva Ana:


1. Você está vivo, o que é fruto de um momento íntimo e profundo de relacionamento no qual uniu-se o espermatozoide com o óvulo.

2. Pesquisas comprovam que dentro do útero, o bebê se relaciona com a mãe através do cordão umbilical. Através desse contato, ocorre o alimentar, o sentir de emoções e etc.


3. Também já foi comprovado que o bebê ouve o que está ao seu redor, mesmo dentro do útero. Exemplo, a voz do pai ou de alguém que conversa com ele, através da barriga da mãe, que possibilita a aproximação. E quando o bebê saí do útero, consegue identificar e reagir a voz ouvida. Ou seja, é uma forma de se relacionar.

4. Estudos comprovam que a convivência saudável com pessoas que transmitem amor, confiança, esperança, amparo, etc, contribui para a saúde emocional da gestante e do bebê. Mais um exemplo da importância do relacionar com as pessoas.

5. Para o bebê sair do útero, precisa-se de auxílio. A gestante precisa da equipe médica, doula. O que quer dizer, precisa do contato com alguns profissionais.

6. Outro ponto, um bebê não conseguem comer sozinho, precisa de outro para alimentar-se. Isso significa relacionar-se com alguém.

7. Outro ponto de vista, o ser humano é trino: espírito, alma (psique) e corpo. E cada órgão do corpo se relaciona um com o outro. O que também é uma forma de relacionar, porém o relacionar consigo mesmo. Seu corpo se relaciona com pensar, expressar e sentir. Exemplo, quando se está apaixonado por alguém: você pensa na pessoa e quando a vê, seu coração bate acelerado, arrepios em seu corpo invadem. Ou seja, questões de minutos ocorre um relacionar pleno do seu trino corpo.

8. Mais um ponto de vista, para você aprender a ler e a desenvolver a cognição, talentos, habilidades, seus sentimentos... É necessário você se relacionar com seus semelhantes.

9. Ah, além disso, os seres humanos têm convívio com alguns animais, com os animais domésticos (cão, gato etc.), e alguns selvagens (elefante, arara-azul etc.)

10. Todo ser humano quer ser amado.

11. O toque assertivo é benéfico para o desenvolvimento biopsicossocial e espiritual, exemplo de um toque assertivo, o abraço com as pessoas.


Com certeza, não tem como negar, o ser humano é relacional.


Saiba que a convivência saudável contribui para o fortalecimento da autoestima, autoconfiança, autoimagem e para a produção dos hormônios de bem-estar.

Talvez, a sua pergunta seja: Ana, por que falar sobre o relacionar?


Pois bem, ando refletindo sobre os efeitos da Pandemia nos relacionamentos nos aspectos geracionais. Vou explicar:


A Pandemia Covid 19, causou várias mudanças, novas percepções do viver. A inovação, mas também o aumento do luto, das incertezas, desânimo, medo em excesso, ansiedade e sintomas depressivos. Também a perda da esperança, o lidar com imprevisto continuamente entre outros dilemas.



Entretanto, quero focar no aspecto nos relacionamentos. Devido ao Covid19, novas medidas de afastamento e isolamento foram necessárias. As pessoas foram obrigadas a ficarem mais em suas casas e deixaram o relacionar presencial de lado.

Nesse momento, não podemos abraçar as pessoas, as crianças não podem brincar com os amiguinhos, algumas pessoas solteiras utilizam a internet para conhecer pessoas, mas os encontros presenciais faziam a diferença na escolha do affair. Até os idosos foram atingidos, antes da pandemia, mesmo com aposentadoria se relacionava com as pessoas, seja através dos passeios, visitas etc. E hoje, precisam ficar em casa e muitos estão adoecendo.


Eu tenho saudades dos encontros com os amigos, jogar boliche, dos jantares, viagens e principalmente dos encontros familiares. Que momentos prazerosos com minha amada parentela mais próxima: risadas, demonstrações de carinhos de forma variadas, comidas preparadas com muito carinho que conectavam gerações.


Por acaso, o que a ausência dos relacionamentos presenciais causou em você neste tempo?

Sei que é uma resposta singular e você terá uma percepção diferente da minha, e tudo bem.


Mas, quero destacar algumas percepções que tenho observado diante dos atendimentos psicoterápicos, minha percepção pessoal, e diante da área de estudos:


Nesse tempo junho de 2021, percebo que as pessoas estão mais carentes e tristes. Algumas sentindo-se desamparadas, abandonadas, irritadas, sem perspectivas do viver, desanimadas, ressentidas, magoadas (pois, projetam no outro algumas expectativas que acabam sendo frustradas), também houve o aumento da culpa (porque não fiz isso, se eu tivesse feito assim....), pensamentos das escolhas do passado que causaram profundo desconfortos. O medo do novo (uso da internet). Dificuldade de expressar os sentimentos, aumento do uso do álcool em todas as idades, drogas e etc.


De acordo, Agência Brasil EBC:

O número de divórcios teve um aumento recorde em 2020. Esse crescimento se dá exatamente no período da pandemia; quando, por um lado as pessoas ficaram mais tempo confinadas dentro de casa; e, do outro, para evitar aglomerações, os cartórios passaram a disponibilizar, a partir de julho de 2020, o serviço de divórcio extrajudicial por meio online.


De acordo com dados do Colégio Notarial do Brasil, houve um aumento de 15% no número de divórcios de 2019 para 2020. Uma taxa bem maior que a média histórica de aumento de 2% a cada ano.


Em números, foram mais de 43 mil divórcios extrajudiciais realizados no 2º semestre de 2020 contra mais de 38 mil divórcios em 2019. https://agenciabrasil.ebc.com.br/


Tais situações, e outras, colaboraram negativamente para algumas pessoas não relacionarem nesse tempo de Pandemia. E com isso, a ansiedade, obesidade, alteração no humor, violência, abusos, sintomas depressivos, problemas com fibromialgia, câncer aumentaram infelizmente.


Eu não sei qual foi a consequência negativa em sua vida, mas percebo que são raras as pessoas que não tiveram algum impacto no seu relacionar.


É tempo de olhar para dentro de nós e cuidar da saúde emocional, porque você poderá prevenir alguns desconfortos quando permitir-se ser cuidado.

Hoje estamos em um tempo em que podemos desenvolver o autocuidado através de pequenas atitudes. Podemos sim buscar apoio psicológico e de uma equipe multidisciplinar através da modalidade online. Isso também é eficaz.


Vale ressaltar, a sua atitude de autocuidado poderá resultar em reaprendizagem e um novo reconectar com as pessoas e todas as ações fortalecerá sua autoestima.


Porém, como sempre menciono em minhas falas, seja através dos vídeos, escrita, o nosso cérebro pode reaprender novos hábitos e a cada minuto, segundo a neurociência, ocorre mudanças em nossos neurônios.


Portanto, estimular a neuroplasticidade é possível sim em qualquer idade, desde que VOCÊ se posicione para agir, permitir-se ao novo.



Que tal, estimada leitora (or), você ser ousada(o) para ampliar suas relações com cuidado nesse tempo de Pandemia?


Calma, aqui colocarei algumas dicas para você dar passos.


Fase: olhar para dentro

1. Identifique as suas características positivas que podem contribuir quando você está se relacionando com alguém. Exemplo: Saber escutar, acolher, fazer piadas assertivas, contribuir com saberes que somam para aquela pessoa etc.

2. Seja autêntica(o), consigo mesma(o), observe suas vulnerabilidades e dores. Não tente ser algo que não é, as mentiras afastam. Porém, a verdade conecta.

3. Escreva em uma folha os desconfortos que os relacionamentos causaram em você.

4. Procure observar novas possiblidades de soluções diante destes desconfortos.

5. Libere as feridas do passado e permita-se ressignificar suas dores.

6. Busque apoio de um profissional da psicologia para te ajudar.

7. Diminua suas expectativas com o outros, as pessoas não são perfeitas e nem sempre vão alcançar suas expectativas.

8. Lembre-se que todos os dias precisamos colocar “créditos” nos relacionamentos. Quando precisávamos colocar crédito no celular, havia de R$ 3, R$ 5, R$ 20 e assim sucessivamente. A ideia é que quando você quer começar um relacionamento, pode dando pequenos passos e não abrindo a sua vida na plenitude, cada dia um passo novo e sua confiança irá se ampliando conforme a cada fase.

9. Desenvolva a comunicação e assertividade.

10. Confie em ti, és especial e tem um jeitinho especial para somar na vida de alguém.

11. Compartilhe sues saberes com o outro.

12. Faça algo especial de carinho às pessoas que contribuíram para o seu crescimento.

13. Atitudes continuamente de autocuidado (você pode ler outros artigos meus, vídeos e Instagram, onde ensino várias coisas)

Fase: Conectar com o outro

Nesse tempo de Pandemia, precisamos ser criativos para nos conectar com as pessoas.

Vou compartilhar algumas atitudes de Ana.


1. Envie bilhetes através de mensagens do WhatsApp.

2. Escolha uma música especial para enviar a alguém especial.

3. Encontros virtuais para conversar.

4. Use o telefone e ligue para perguntar como está ou apenas para desejar um bom dia, etc. São poucas pessoas que utilizam o fone atualmente.

5. Com as crianças, gosto de enviar vídeos ou fazer chamada de vídeos para termos contato e ver como estão as coisas. Essa opção é ideal para todas as idades.

6. Já preparei vários mimos (pudim, comprei bolos, doces, presentinhos e etc.) para entregar nas casas com bilhetes de carinho.

7. Invisto tempo de meditação online com algumas pessoas especiais.

8. Com os idosos, procuro ligar constantemente.

9. Com as pessoas que estão doentes, procuro desenvolver ações diferenciadas envolvendo as ações citadas e procuro observar a linguagem de amor delas para somar.

10. Tempo de qualidade com atenção.


São alguns exemplos que estão fazendo a diferença compartilhar minha vivência a com vocês, porque relacionar faz parte das nossas vidas e antes de ser a profissional psicóloga Ana Paula Purcino Pellenz sou filha amada, esposa, filha, irmã, nora, tia, sobrinha, amiga, etc. Tenho vários papéis e aprendi a me conectar com as pessoas, mas consegui quando me permiti olhar para dentro e como profissional da saúde percebo que, hoje, são poucas gerações que foram ensinados a se relacionar com equilíbrio e assertividade com as pessoas desde seu nascimento, o estar presente na vida do outro com equilíbrio.


Nos últimos anos, a dor, a rejeição, a dor do abandono aumentou e com a pandemia só acrescentou nas dores do passado. Minha missão profissional é ajudar você a reaprender a viver. Os desafios sempre farão parte de nossas vidas, e contribuem para o nosso desenvolvimento.

Mas a questão é: hoje o ser humano precisa aprender a se relacionar consigo mesmo para fortalecer sua autoconfiança e através da convivência com o outro crescer.

Quanto mais desenvolvemos amor próprio, o ressignificar das dores do passado para uma atitude de acolhimento consigo mesmo, as atitudes para o relacionar com o outro será saudável e transformadora.

Nesse momento, quero te incentivar a olhar o ebook “Dicas para pais protagonistas -educadores durante e pós-pandemia”-Ana Paula Pellenz e Micheli Panzarini você pode baixar gratuitamente e as atividades vão somar para sua autoestima e fortalecendo os relacionamentos afetivos. Da criança aos adultos, adaptar as atividades será benéfico para o seu crescimento.


Enfim, espero que você amplie suas atitudes para se relacionar consigo mesmo e com o outro. Será benéfico para você e poderá somar significativamente para a vida de alguém. Um compartilhar assertivo desperta vida e se ilumina com direções.


Amparo, pequenas atitudes transformam vidas e somos lapidados a cada dia para brilhar mais e mais. Conte-me o que este texto somou em sua vida ficarei bem feliz.


Até logo!

Abraços,


Ana Paula Purcino Pellenz

CRP 8/15629


Referência Bibliográfica

2020 tem recorde no número de divórcios no Brasil | Radioagência Nacional (ebc.com.br)

https://agenciabrasil.ebc.com.br/