Passos para uma reaprendizagem de autoamor e autoconhecimento - Olhe dentro mude fora

Quantas vezes você se sentiu fracassado, sem valor algum, incapaz de merecer coisas boas?

Quantas vezes você se sentiu inadequado para estar em uma posição de autoridade ou em um ambiente diferenciado?


Pois bem, não sei qual é a sua resposta.


No entanto, saiba que este sentimento pode estar relacionado às dores da rejeição, crenças limitantes ou até mesmo o pensamento do senso de inadequação. Vou explicar.


Todo ser humano já sofreu em algum momento de sua vida a rejeição. Algumas pessoas já no ventre da sua mãe, outras em situações diversas no cotidiano, como na escola, bullying, rejeição por ser obeso, racial, gênero etc. Em alguns casos esta dor pode tornar-se uma característica de traumas e os anos podem passar, porém os resíduos dos traumas podem estar presentes em nossas memórias, comportamentos e quando menos esperamos vem os sintomas.

Vale ressaltar, nosso presente é influenciado pelas nossas vivências do passado, sendo elas positivas e negativas.

No entanto, há momentos, fases em nossas vidas que precisamos fazer uma parada de acolhimento ao passado para uma “ limpeza”, “faxina” emocional para acolher os resíduos das dores, desconfortos, culpa de decisões para um processo de ressignificação.


As dores do passado em algumas pessoas podem desencadear a insegurança, desânimo, revolta, complexo de inferioridade ou superioridade, senso crítico em excesso, amargura, a corrida constante da aprovação e, principalmente, o distanciamento do ser você.

É profundo este assunto, porém é necessário falarmos disso. Em nosso dia a dia vemos os reflexos da hostilidade, as raízes do ódio de si mesmo e dos outros, autodepreciação, aumento das alterações do humor, as doenças psicossomáticas aumentando, rigidez, o uso das drogas, a dificuldade do comunicar, violências, inclusive o aumento dos transtornos de ansiedade, depressão, bipolaridades e os conflitos nos relacionamentos.


Atenção: à medida que vamos esquecendo de olhar para dentro através do autoconhecimento, podemos estar reproduzindo: pensamentos de crenças limitantes, atitudes tóxicas e inadequadas aos nossos valores, essência, princípios e comportamentos que rementem ao “passado de dores não resolvidas”, ou seja, não ressignificados em você.


Alguns exemplos:

1. Se em sua infância você teve algum trauma na hora de apresentar um trabalho na escola, provavelmente você na fase adulta não gosta de falar em público ou de ser destaque em um local com plateia.

2. Uma pessoa que teve o trauma do abuso na infância, na fase adulta pode apresentar sintomas de baixa estima, dificuldade para confiar em si e nos outros, apresentando assim problemas na área afetiva em alguns casos.

3. Pessoas que na infância receberam uma educação com muita rigidez na fase adulta são extremamente perfeccionistas, e em alguns casos, cobram-se demais, apresentam dificuldades de realizar coisas novas e são rígidas com as pessoas ao seu redor.


Vale ressaltar, quero incentivar você a olhar para dentro para uma nova jornada de autocura, ressignificação, liberdade do expressar, sentir, aumento da autoconfiança, conquistas, do desfrutar das dádivas do viver, realizar sonhos e desenvolvimento pleno biopsicoecomocional e espiritual.

De acordo com a minha experiência de mais de onze anos com atendimento psicoterápicos, as frases do início deste texto e os exemplos podem representar algumas pessoas, famílias, ou seja, gerações que se sentem frustradas (consigo mesmas, com as pessoas e a sociedade), ou até mesmo fracassadas, reproduzindo rejeição, revoltas, violência e principalmente adoecendo.


É um novo tempo! Estamos em uma nova estação, a primavera, ou seja, é tempo de florescer novos hábitos, atitudes, comportamentos que vão produzir os hormônios de bem-estar em você, como a oxitocina, dopamina, serotonina.

Assim, virá o destravar da sua essência para fortalecer sua autoestima, autoconfiança, desenvolvimento da inteligência emocional, a comunicação assertiva e enfrentamento dos problemas com sabedoria, discernimento, saúde e fortalecimento de vínculos afetivos e relacionais.




Porém, para sair do ciclo do sentimento de inadequação, rejeição, dor do abandono, desamparo, revolta, desconfiança e traumas é necessário primeiramente se conscientizar que a dor tem os resíduos.


Detalhe, algumas pessoas carregam essas dores e outras que não foram citadas e às vezes é de uma maneira inconsciente. Por exemplo: algumas pessoas são mais ansiosas devidos aos traumas, sintomas de depressão. As dores dos traumas podem causar transtorno do estresse pós-traumático, dificuldade de se amar, problemas no desenvolvimento profissional e outras dificuldades comportamentais, psíquicas e doenças autoimune.


Puxa, já falei muito, mas como você está sentindo com este conteúdo até o presente momento?


Então, vou ajudar a você com suas reflexões no ato de começar a acolher, as sensações, sentimentos gerados até o presente momento desta leitura. Porque compreendo que a dor da rejeição deixa marcas profundas sendo elas conscientes ou inconscientes.


Segue abaixo:


Um exercício de acolhimento:

Passo 1: Identifique neste momento quais são as áreas de sua vida que apresentam os resíduos do passado não resolvidos para você ressignificar. E quais os sentimentos e sensações que está sentindo agora.


Passo 2: Escreva 5 ou mais benefícios para sua vida em resolver esses resíduos.


Passo 3: Dê uma pausa de 5 minutos para não fazer nada.


Passo 4: Respire fundo e solte o ar lentamente durante 7 vezes.


Passo 5: Agora, pense em uma ou mais situações em sua vida que você superou os obstáculos e conquistou algo especial que alegra seu ser.


Passo 6: Se você pudesse representar neste momento uma parte ou órgão do seu corpo que representa suas conquistas e superações, qual parte seria? Exemplo: coração, cabeça, mãos etc. (Saiba que não tem o certo ou errado, e sim o que é confortável para você agora).


Passo 7: Neste momento respire profundamente e solte o ar expandindo em todo seu corpo, lembrando de suas conquistas e superações.


Passo 8: Tente imaginar ou desenhar você enfrentando seus resíduos que ficaram dos desconfortos do passado e conquistando os benefícios de se livrar deles.


Passo 9: Enfim, escreva o que você está sentindo agora. Descanse ou movimente-se, o que você quiser fazer.


Novamente, menciono meu foco aqui é te ajudar a recomeçar novos hábitos através dos “remédios do viver”.


Como, Ana? Talvez seja sua pergunta neste momento.

Calma, vou te ajudar!


O meu trabalho como psicóloga é lançar sementes de mudanças para vidas reaprenderem a viver. Isso se dá através do atendimento psicoterápico, grupos de estudo, grupo terapêutico ou da escrita. Acredito, que é possível florescer novos hábitos. Eu sou fruto desta mudança e estou aqui para contribuir neste momento com suas reflexões.


Vamos lá, caro leitor! Deixo agora mais dicas que vão te ajudar a repensar, mas recomendo você ir em busca de um plano terapêutico para realizar a limpeza dos resíduos emocionais com técnicas que somará para seu processo de ressignificação da dor.


Dicas:

1. Pessoas que sofreram com a dor da rejeição, precisam aprender a se amar, ou seja, conhecer a verdadeira essência do amor genuíno consigo mesma. Por exemplo: todo ser humano respira, pense que o amor está dentro de você. Temos o hábito de representar o amor através do coração e está dentro de nós. Reaprender a se amar significa: realizar as pequenas alegrias que contagiam seu ser, aprender a dizer não quando é necessário, cuidar da sua saúde emocional, física e espiritual etc.


2. Amar-se também é você investir tempo em ações que te cativam genuinamente. Por exemplo: o que você gosta de fazer?


3. Para reaprender a se amar é necessário você entrar na jornada do autoconhecimento, ou seja, olhar para dentro, para liberar os resíduos ou entulhos da sua vida para liberar os desconfortos. Vale ressaltar, essa é uma atitude por você e não pelo outro, ou seja, pare de culpar o outro e as situações que ocorreram. Isso fará bem para o acolhimento de sua história e te ajudará a modificar hábitos de maneira assertiva diante situações que envolvem as pessoas que feriram você. Quando acolhemos a nossa história, nossas vidas serão modificadas e impactará o meio de uma forma diferenciada com assertividade e bem-estar. Lembre-se: você é um diamante que está sendo lapidado a cada dia para brilhar a sua essência.


4. Outro ponto a destacar: há momentos que temos que executar alguns exercícios de auto perdão e de autorização para o crescer e desfrutar coisas novas, ou seja, um acolhimento consigo mesmo.


5. O ato de conscientização das autocobranças e arrependimentos significa que você está se liberando dos ciclos dos desconfortos que aprisionam seu pensar, agir, realizar, sentir. Isso tem causado indiferença, complexo de inferioridade ou de superioridade e outros aprisionamentos. Evidentemente, conscientizar e arrepender-se dos autojulgamentos representa você liberar sua essência das prisões emocionais. Posso citar essas prisões como, por exemplo: a baixa estima, aumento da ansiedade, alterações alimentares ou cognitivas, dificuldades de relacionar com as pessoas para um mergulho profundo do reencontro com você. O auto perdão é importante, por que várias vezes você se desvalorizou? Algumas pessoas reproduzem os maus tratos que receberam de outros consigo mesmas, e é necessário sair deste ciclo, pois causa o próprio adoecimento do acreditar em si.


6. Para realizar todos os processos de reconciliar-se consigo mesmo e com a vida é necessário fazê-los com autenticidade, sinceridade do fundo do seu coração, pois é uma atitude de dentro para fora. Uma ação no automático só porque alguém está te instruindo não mudará sua vida, infelizmente. Ressalto que, aqui você está tendo o conhecimento e dentro do seu processo psicoterápico também terá o apoio do profissional da psicologia, que te ajudará a olhar para dentro. Mas, é a sua atitude de acolhimento que romperá as barreiras das dores para um processo de florescimento do amor, paz interior, autocuidado, liberação da sua essência, conquistas e bem-estar.


7. É preciso recomeçar com coisas novas dentro de você e através de você. Hoje nós somos responsáveis pelas mudanças em nossa vida. Você é um adulto. Você é uma obra prima com um valor inestimável, uma joia preciosa. Sua atitude de acolhimento com sua história, impactará sua vida e amenizará os sintomas de ansiedade, irritabilidade excessiva, baixa estima... e potencializará o reflorescer da inteligência emocional, saúde emocional, saúde mental, autoconhecimento, realização pessoal, profissional e desfrutará de uma nova mentalidade consigo mesma, sendo merecedora das dádivas do viver e o desenvolvimento das crenças de capacidade, identidade e bem-estar.


Uau, falei muito!


Até peço a gentileza que você comente aqui quais as contribuições deste texto em sua vida, estimado leitor.


O propósito deste texto é incentivar você a entrar em uma nova estação de reconectividade consigo mesmo, para liberar sua essência, sair dos ciclos de dores, da rejeição para uma reaprendizagem na arte do viver, no ato de aprender a enfrentar os problemas com assertividade e para potencializar seus talentos, habilidades, competências, autoamor, conquistas, a aprendizagem do sentir, aprender a receber, inclusive o amor através de suas multiformes.

Enfim, eu acredito nas mudanças de hábitos de dentro para fora. Há momentos que será necessário ter alguém para te ajudar.

Vale ressaltar, se o texto mexeu com você busque ajuda psicoterápica, pois significa que você está iniciando a jornada do seu processo de liberação e limpeza dos resíduos para vivenciar uma nova estação de acolhimento. Isso irá te ajudar a aplicar os “remédios” de atitudes emocionais para então ocorrer a cicatrização. Com isso, virá o amor, saúde e bem-estar. Lembre-se que pequenas atitudes podem transformar a sua vida. Somos diamantes que estamos sendo lapidados a cada dia para brilhar mais e mais.