• Ana Paula Psicóloga

Os princípios éticos no ambiente da ciberpsicologia - Parte 2

Continuação do texto anterior - Parte 1


Qual é o Papel do Psicólogo?


Para desenvolver atitudes éticas é preciso questionamentos, reflexões e atitudes:

O ensino da ética requer tempo, reflexão, perguntas, promoção de atitudes, critérios. Não se trata apenas de aprender, mas sobretudo de questionar, de ter uma atitude, de ativar o alerta para a prática cotidiana que às vezes se torna tristemente monótono, asséptico e impessoal (Colégio Oficial dos Psicólogos de Madrid, 2011, tradução nossa). [1]


[1]La enseñanza de la Ética requiere de tiempo, reflexión, interrogantes, fomento de actitudes, de criterios. No se trata tan sólo de aprender sino sobre todo de cuestionarse, de tener una actitud, de activar la alerta ante la práctica cotidiana que a veces se convierte en tristemente monótona, aséptica e impersonal.



A cada ano é preciso fazer avaliações da atuação prática e da ética no ambiente online, assim se construirá uma pesquisa analisando as atitudes no ambiente online na atuação do psicólogo.


As principais atitudes éticas do psicoterapeuta no ambiente virtual devem ser:

1. Realizar um contrato com o paciente;

2. Procurar escolher um espaço ou sala virtual adequado, de acordo com a HIPAa – Health Insurance Portability and Accountability Act (Lei de Portabilidade e Responsabilidade de Seguros de Saúde), proporcionando segurança e sigilo para o profissional e para o paciente;

3. Implantar ferramentas de segurança em seu PC, notebook, tablet ou smartphone, como firewall e antivírus pago;

4. Utilizar senhas fortes, com letras, números e símbolos, e mudá-las com certa frequência;

5. Identificar se o cliente tem o perfil adequado, conforme a Resolução nº 02018, para o atendimento psicoterápico online;

6. Utilizar os testes adequados, de acordo com o SATEPSI - Sistema de Avaliação de Testes Psicológicos;

7. Se atender menores de 18 (dezoito) anos, solicitar o consentimento dos pais;

8. Comprovar a idoneidade das pessoas que utilizem os instrumentos de certificação;

9. Atender somente na nação brasileira, cada país tem suas regras e valores éticos. È uma atitude ética respeitar a resoluções brasileiras;

10. Possibilitar um ambiente de confiabilidade para o cliente com avisos de limitações e riscos, possibilitando a segurança para o cliente.


O psicólogo que atende no ambiente online deve desenvolver as práticas éticas continuamente, sendo fundamental estar atualizado sobre os melhores meios de segurança para possibilitar um ambiente de sigilo e ética para o paciente, seja a forma do atendimento assíncrona ou síncrona.


Vale ressaltar a importância de o profissional estar conectado a grupos de pesquisas e com outros profissionais para fortalecer os estudos e pesquisas para melhorar a cada tempo, pois a cada dia a internet tem novas atualizações. No Brasil ainda é preciso ampliar os estudos sobre as melhores atitudes éticas para o desenvolvimento do trabalho. Assim, como precisamos saber se o paciente tem o perfil para ser atendido no ambiente online, é uma atitude ética de fazer uma autoanálise para perceber se a sua postura como profissional fará a diferença no seu atendimento.


Como podemos perceber, ao contrário de competir com o atendimento psicológico convencional, os serviços mediados por computadores (pela Internet) vêm aumentar as possibilidades de intervenção, ampliando o alcance do trabalho do psicólogo, que hoje pode acolher grupos e pessoas que antes eram inacessíveis para atendimentos em saúde mental.


O fato é que a terapia online é uma prática em expansão, apesar da restrição por parte de alguns psicólogos. Sendo assim, devemos conhecê-la melhor, mesmo que seja para refutá-la, se for o caso, com fundamento.

Os poucos estudos já realizados são encorajadores. Não se trata de substituir a terapia presencial, que provavelmente deverá seguir prevalecendo. Ter a terapia online ao alcance talvez possa refletir em menor sofrimento àqueles que estão impossibilitados de estar presencialmente em um consultório.


Enfim, estamos quebrando paradigmas no Brasil, aumentando o atendimento no ambiente online, desenvolvendo a subjetividade através da modalidade online para possibilitar o bem-estar do cliente, mas ainda no início ao se comparar com outros países. Psicólogos, pesquisadores e os Conselho Federal e Regionais de Psicologia devem se unir no Brasil para fortalecer a prática dos princípios éticos, considerando que essa é uma preocupação mundial dos pesquisadores para o desenvolvimento da ciberpsicologia.


O mundo virtual precisa da atuação dos psicólogos, pois é um ambiente de necessidade de cuidado com a saúde mental.




Referências Bibliográficas


COLEGIO OFICIAL DE PSICÓLOGOS DE MADRID. Ética y Deontología en la práctica psicológica. Madrid, Espanha, 2011.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Código de Ética Profissional do Psicólogo. Brasília, Ago. 2005.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP-11/2018 Comentada. Orientações sobre a Prestação de Serviços Psicológicos por Meio de Tecnologia de Informação e Comunicação. Brasília, set. 2018. Disponível em < https://e-psi.cfp.org.br/wp-content/uploads/2018/11/Resolu%C3%A7%C3%A3o-Comentada-Documento-Final.pdf >. Acesso em 9 nov. 2019.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP nº 006/2000. Disponível em: < http://site.cfp.org.br/wp-content/uploads/2000/12/resolucao2000_6.pdf >. Acesso em: 9 nov. 2019.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP nº 011/2012. Disponível em: < http://www.pol.br/legislacao/pdf/resolucao/2012-11.pdf >. Acesso em: 9 nov. 2019.


CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. Resolução CFP nº 012/2005. Disponível em: < http://www.pol.br/legislacao/pdf/resolucao/2005-12.pdf >. Acesso em: 9 nov. 2019.


LEITE, N. J. C. Psicoterapia Online: Uma Possibilidade de Atuação para a Psicologia na Era Digital. Monografia (Graduação em Psicologia) - Faculdade de Educação e Meio Ambiente – FAEMA. Ariquemes, 2016.


MAROT, R. S. V.; FERREIRA, M. C. Atitudes sobre a aprovação da psicoterapia online na perspectiva da teoria da ação racional. Interamerican Journal of Psychology, Porto Alegre, v. 42, n. 2, ago. 2008.


PEDROZA, P. O que é Inclusão Digital e em que Estágio Estamos no Brasil. Digitalks [s.l.] ago. 2019. Disponível em < https://digitalks.com.br/artigos/o-que-e-inclusao-digital-e-em-que-estagio-estamos-no-brasil/# >. Acesso em 12 nov. 2019.


PIETA, M. A. M.; SIEGMUND, G.; GOMES, W.B.; GAUER G. Desenvolvimento de protocolos para acompanhamento de psicoterapia pela Internet. Contextos Clínicos - Unisinos, Porto Alegre, v. 8, n. 2, jul./dez. 2015.


PIMENTEL, A. Prática Clínica em Meios Virtuais. A Psicologia em Interface com as Tecnologias da Informação e Comunicação (TICs). Curitiba: Juruá Editora, 2018.


PINTO. E. R. As modalidades do atendimento psicológico online. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 10, n. 2, ago. 2002.


RODRIGUES, C. G. Aliança Terapêutica na Psicoterapia Breve Online. Dissertação (Mestrado em Psicologia Clínica e Cultura) - Instituto de Psicologia da Universidade de Brasília. Brasília, 2014.


RODRIGUES, C. G.; TAVARES, M. A. Psicoterapia Online: demanda crescente e sugestões para regulamentação. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 21, n. 4, p. 735-744, out./dez. 2016.


SIEGMUND, G.; JANZEN, M. R.; GOMES, W. B.; GAUER, G. Aspectos Éticos das Intervenções Psicológicas On-line no Brasil: Situação Atual e Desafios. Psicologia em Estudo - UEM, Maringá, v. 20, n. 3, pp. 437-447, jul./set. 2015.


URRA, J. Psicología e Deontología: Estudio Empírico basado en Dilemas Éticos. Madrid, Espanha. Disponível em < https://www.javierurra.com/files/DilemasEticos.pdf >. Acesso em 12 nov. 2019.


VALLS, A. L. M. O Que é Ética? Coleção Primeiros Passos, n. 177. São Paulo: Editora Brasiliense, 1994.